Piroga do Rio Lima na exposição “O tempo resgatado ao mar” do Museu Nacional de Arqueologia

Uma piroga do rio Lima, uma das seis embarcações encontradas em Viana do Castelo, integra a exposição “O tempo resgatado ao Mar” do Museu Nacional de Arqueologia, que dá a conhecer os principais resultados da atividade arqueológica náutica e subaquática realizada em Portugal nos últimos trinta anos.

As pirogas, embarcações monóxilas feitas a partir de um tronco de árvore escavado, conhecido na Europa desde a pré-história e mais precisamente desde o neolítico, foram utilizadas no Rio Lima e, por serem embarcações construídas através de uma tecnologia muito particular, merecem grande relevo e assumem enorme importância para a comunidade científica portuguesa e internacional.

Em Viana do Castelo foram encontradas seis pirogas entre as freguesias de Moreira de Geraz do Lima e Mazarefes, sendo que as cinco identificadas foram enviadas para a Divisão de Arqueologia Náutica e Subaquática para restauro, estudo e conservação.

Em Viana do Castelo foram encontradas seis pirogas entre as freguesias de Moreira de Geraz do Lima e Mazarefes, sendo que as cinco identificadas foram enviadas para a Divisão de Arqueologia Náutica e Subaquática para restauro, estudo e conservação. Uma delas está agora em exposição em Lisboa, depois de ter sido descoberta na margem esquerda do Lima, junto ao Lugar da Passagem (Moreira de Geraz do Lima) em Maio de 1996. A embarcação, datada por radiocarbono entre a segunda metade do século VII e finais do século IX, foi construída a partir de carvalho-roble e serviria para atravessar o rio durante a Idade Média.

Com 385 centímetros de comprimento, 55 de largura e 45 de altura, a embarcação esteve juntamente com outra, em 2013, no Museu Nacional de Arqueologia Subaquática - ARQUA, em Cartagena, para conservação e uma delas esteve mesmo em exposição.

Agora, integra uma mostra que apresenta uma seleção de peças oriundas de ambientes marítimos, fluviais ou húmidos de todo o território nacional desde a época pré-romana ao século XX, com maior incidência na época moderna, resultado de numerosos naufrágios referenciados.

Fonte: Correio do Minho
Print Friendly Version of this pageImprimir artigo Get a PDF version of this webpagePDF

Utlizador

Sobre o utilizador

comments powered by Disqus

últimas 20 notícias

acompanhe - nos pelo facebook